Algumas ideias de Arthur Jones

E não podes aprender ouvindo-me a mim; porque eu simplesmente não sei quais são as tuas necessidades e limitações, eu apenas tenho consciência da existência de tais necessidades e limitações e sei que variam de pessoa para pessoa. Arthur Jones

Pelo menos uma coisa eu tive de aprender da forma mais difícil, aparentemente a única forma de que eu fui capaz de aprender alguma coisa, é que aquilo que resulta para mim, pode não resultar para ti; porque as pessoas são diferentes, e por isso têm necessidades diferentes. Algo que pode ser perfeito para mim poderia ser devastador para ti e vice-versa. Durante anos eu disse aos outros que deveriam treinar exactamente como eu para produzirem os melhores resultados, e funcionou bem para mim; quando não produziu resultados similares nas outras pessoas, eu culpava-as a elas pelo falhanço, acusando-as de não se esforçarem o suficiente, ou não acreditava que tinham treinado realmente da forma como diziam ter feito. Arthur Jones (My First Half Century in The Iron Game #17)…

Por isso, se não podes confiar em mais ninguém, então porque é que vais acreditar em mim? Não deverias acreditar em mim, mas pode ser que não te faça mal pelo menos ouvir aquilo que eu tenho para dizer; depois de ouvir, pensa nisso, e põe à prova. Então, se funciona, continua, e se não funciona então tenta outra coisa. No campo do exercício físico ninguém te pode dizer aquilo que é melhor para ti, mas alguns de nós podem pelos menos avisar-te de algumas coisas  a evitar: coisas como a pliometria, movimentos explosivos, treinos tipo maratona e uma longa lista de outras coisas estúpidas. Arthur Jones (My First Half Century in The Iron Game #40)…

Simplesmente porque a parte de algo é boa, não significa que as outras partes também o sejam; e o facto de que algo é bom não significa que mais seja melhor. Estou convencido que a leitura extensa de vários assuntos é talvez a Segunda mais valiosa parte da educação, mas não significa que devas acreditar em tudo aquilo que tu lês. A parte mais valiosa da educação, é, claro está, a experiência; sem a qual nenhuma quantidade de leitura te fará avançar muito na tua educação. Tudo o que essas leituras podem fazer é fazer com que conheças as opiniões de outras pessoas; na melhor das hipóteses fazer com que tomes consciência de coisas que doutra forma irias negligenciar; ou por vezes explicar algo que já tinhas observado mas que não conseguias compreender. A teoria e a prática, raramente têm algo em comum: a realidade é que a maioria das pessoas lêem coisas que ouvem ou lêem ideias que pouco ou nada têm em comum com os pensamentos que o comunicador ou escritor estava a tentar transmitir. Ou, pior, rejeitam uma ideia simplesmente porque está aos olhos das suas opiniões estabelecidas; e é por isso porque tentar discutir religião ou política é normalmente o beijo da morte. Arthur Jones (My First Half Century in The Iron Game #51)…

O pouco que eu sei sobre exercício físico, aprendi da forma mais difícil, por tentativa e erro; aprendi apenas uma coisa dos supostos especialistas (experts), aprendi que nenhum deles sabe algo valioso (significativo). Arthur Jones (My First Half Century in The Iron Game #40)…

3 Replies to “Algumas ideias de Arthur Jones”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s