O Processo de Coaching

O Processo de Coaching

No desporto podemos utilizar o coaching em grupo ou de forma individual. Para desenvolver uma relação de confiança, a atitude do treinador, do personal trainer, do instrutor de aulas de grupo poderá basear-se nestes pressupostos:

  1. “-Aceito-te tal como és”.
  2. “-Confio em ti. – Fala!.”
  3. “Tenho apreço incondicional por ti como pessoa”.

A ferramenta principal do coach são as perguntas certas no momento adequado. É algo que exige muito treino. Para fazer perguntas poderosas, Lages e O’Connor (2004) recomendam o seguinte:

  1. Começam com “o que”
  2. Orientadas para soluções, para a ação.
  3. Orientadas para o futuro.

O que… Você… Verbo… Futuro positivo

Entre o ponto A e o ponto B, residem alguns desafios

Crenças. São generalizações, que podem ser potenciadoras ou limitadoras. No fundo, são representações da realidade. O coach tem como missão ajudar a mudar os sons, as imagens, as sensações do cliente, porque no final, aquilo em que ele acredita tem muito a ver com a forma como ele representa o mundo dentro da sua cabeça.

Valores. Algo ao qual damos muita importância, algo ao qual damos prioridade. As escalas mudam. O exercício físico está habitualmente numa posição demasiado baixa nas escalas de valores das pessoas. Essa é uma das razões a que se deve a baixa frequência de treinos e o abandono da atividade física regular. Uma das ações do coach na área da atividade física e estilo de vida é adicionar valor ao exercício, algo que poderá passar por mostrar às pessoas os benefícios psicológicos, sociais e físicos do exercício regular.

Algumas perguntas para começar a identificar aquilo que as pessoas valorizam (Pérez, 2009):

  • O que o motiva?
  • O que é mais importante para si?
  • O que o faz levantar da cama?
  • O que o faz passar à ação?

Alguns valores podem ser considerados comuns a qualquer população. Vida – a própria existência é o valor mais importante. Sem vida, o resto não interessa.

  • Vida
  • Saúde (sejam ricos ou pobres)
  • Tempo (Todos os dias há 24h para todos. Tempo é emoção).
  • Atenção paga-se cara.

O Processo de Coaching Usando o Modelo G.R.O.W. (Whitmore, 2009)

Goal/Objetivo – acordar um objetivo para a sessão de coaching.

  • O que pretende atingir no final desta sessão de coaching?
  • Como saberá que o conseguiu?
  • O que pretende atingir?
  • O que podemos fazer nesta sessão para ajudar a concretizar esse objetivo?
  • O que terá no final desta sessão, que não tem agora?
  • O que pretende atingir a longo prazo?
  • Qual é a sua definição de sucesso?
  • O que consegue controlar ou influenciar para atingir o seu objetivo?
  • O objetivo é positivo, desafiador e concretizável?
  • Como saberá que conseguiu (o que verá, ouvirá ou sentirá)?

Reality/Realidade – Onde está e o que se está a passar agora?

( Para compreender a situação atual. Questionar e escutar.)

  • O que está a acontecer agora (o quê, quando, onde, como, quanto, com que frequência)?
  • O que está envolvido (direta e indiretamente)?
  • Como está a ver a situação?
  • Como se sente em relação a isso?
  • O que está a fazer em relação a isso?
  • Como é que isso o está a afectar diretamente?
  • Qual o impacto disso nas outras pessoas direta ou indiretamente envolvidas?
  • Que resultados isso origina?
  • O que o está a impedir de dar um passo em frente?

Options/Opções – O que pode fazer para atingir o que pretende.

(Para encorajar o cliente a definir um conjunto de opções e recursos. Estimular o cliente a decidir o caminho.)

  • Que opções tem?
  • Que mais poderá fazer (independentemente de ser ou não realista neste momento)?
  • Se pudesse fazer algo em relação a isso, o que faria?
  • Quem o pode ajudar/apoiar?
  • O que é necessário (tempo, poder, dinheiro, materiais, etc.)?
  • Quais os benefícios e custos das diferentes opções?
  • Qual a opção em relação à qual se sente mais à vontade ou mais motivado?

What+When+Will/O quê+Quando+Vontade – Fazer acontecer

(Para criar um plano. Definir passos específicos e um cronograma. Definir e debater um estrutura de suporte. Acordar o follow-up. Garantir o compromisso com o plano.)

  • Que opção escolheu?
  • Em que medida ela contribui, de facto, para tornar o seu objetivo uma realidade?
  • Que critérios irá utilizar para o medir? Como vai medir o seu progresso?
  • Quando vai iniciar ou concluir cada um dos passos/ações para lá chegar?
  • O que poderá favorecer a concretização dessas ações?
  • Existe algum tipo de resistência em relação a cada um desses passos?
  • O que irá fazer para eliminar esses factores (internos/externos)?
  • Quem precisará de conhecer os seus novos planos?
  • O que irá fazer para obter apoio dessas pessoas e quando?
  • Quer falar mais alguma coisa em relação a esta situação?

Bibliografia

Lages, A. e O´Connor, J. (2004). Coaching com PNL. Qualitymark.

Pérez, J. (2009). Coaching para docentes. Porto: Porto Editora.

Whitmore, J. [Ted Talks]. (07.02.2013). Cleverly Connected: Sir John Whitmore at TEDxCheltenham. [Ficheiro em video]. Retirado de: https://www.youtube.com/watch?v=6fld90L6Hkw