Treinar atletas

A primeira regra ao treinar atletas, é: não os lesiones! Embora pareça ridículo, é a abordagem mais sensata para manter o emprego. Quanto mais valioso o atleta, mais importante se torna esta regra. Então, para que treinam?

A preparação física, onde incluo o treino de força, serve para reduzir lesão e aumentar o potencial do indivíduo para qualquer tipo de performance. Mas, se ele se lesionar num treino, num duelo com um colega, isso é visto como normal. No entanto, se ele se lesionar a fazer algum tipo de treino individual, ainda que tenha o intuito de se apresentar melhor preparado… Isso é visto como arriscado, inadequado e consequentemente procura de um: culpado!

Continuamos a achar que, a preparação física, mental e social, faz um atleta menos propenso a lesão e com maior probabilidade de ter um rendimento superior e melhores resultados. Efetuando um trabalho que respeite os princípios do treino, as Leis da Física e a anatomia do corpo humano, a probabilidade de lesão esperada é diminuta, até porque o trabalho bem feito tem como objetivo o oposto. Quantas pessoas se lesionam num jogo de futebol? Quantas pessoas se lesionam num ginásio, mesmo usando técnicas e cargas inadequadas?

Sobretudo nas modalidades de contacto, se o atleta tem mais força em todos os ângulos articulares, suporta forças de choque, de contacto mais elevadas. O problema surge quando inventamos rotações, saltos, movimentos contra as funções musculares e articulares. Por outro lado, o treino também deverá ser um teste de preparação para a competição. Nos desportos individuais há muitos recordes batidos em treino. Também há muitos atletas que se lesionam em modalidades de contacto sem terem nenhum tipo de impacto por parte dos adversários, revelando fragilidades que poderiam ter sido treinadas ou reveladas em treino.

Um treinador tem de saber quem está pronto para o confronto. Isso não pode ser efetuado com treinos para passar o tempo, correndo o risco de ser acusado de preparar mal os atletas. Claro que, o elo mais fraco, vai ser sempre o culpado dos resultados não pretendidos.