Prescrição de Exercício? É só uma receita…

O exercício físico pode ser visto como um medicamento. Quando devidamente doseado, conjugado com uma dieta apropriada e uma adequada dose de sono, poderá produzir tremendas transformações biológicas, psicológicas e sociais na vida de qualquer ser humano.

Mas este medicamento é mais fácil de prescrever do que consumir ou auto-administrar. Eu próprio tive as minhas overdoses de certos tipos de exercício que, embora não me tivessem tirado a vida, me limitaram do ponto de vista funcional. Se eu soubesse aquilo que sei hoje… Sabemos agora que o alto-rendimento é tão prejudicial quanto ser sedentário. Mais uma vez, o êxito está no equilíbrio.

Médicos e exercício físico

a7ac431d-265d-4583-872e-14e93f3d55e6Como podemos facilmente perceber pelos locais de prática desportiva, não é muito comum encontrar elementos da profissão médica por lá. Quando perguntamos ao Google se os médicos exercitam mais (por serem profissionais de saúde), logo aparece a questão da prescrição e formação médica. Também não necessitamos passar muito tempo na PubMed para confirmar que é complicado ser regular no exercício físico quando a profissão é muito exigente, com turnos e quando surgem as exigências de sermos pais. Também não vemos de forma regular a comunidade médica comunicar com paixão a favor da prática regular de atividade física, algo que se entende perfeitamente, porque não é o seu mestér. Embora por vezes se faça uma guerra porque os médicos prescrevem exercício e não deveriam (dizem os profissionais de educação física), temos de nos recordar que a “bíblia” da prescrição de exercício dos profissionais do exercício físico chama-se ACSM’s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, que já vai na sua 10ª edição e foi curiosamente criada por uma organização de… medicina desportiva. Ou seja, a maioria dos profissionais do fitness baseia o seu trabalho num documento médico e em trabalhos médicos. Também nos podíamos recordar no século XIX do fantástico sanatório de Battlecreek do famoso Dr. Kellogg que nos deixou os cronflakes. Colaborei com vários médicos, trouxe médicos para dentro do ginásio, contribuí para o treino regular de alguns desses profissionais, tive como parceiro de treino um médico durante vários anos e compreendo perfeitamente a desconfiança da parte deles sobre o trabalho que se realiza nos ginásios e os extremos com que muitos dos profissionais do fitness abordam a questão do exercício físico e da alimentação (curiosamente pouco abordam o sono). Portanto, há muito a fazer para estreitar a comunicação das duas áreas: medicina e movimento humano. Recordo que um médico é uma pessoa que escolheu uma nobre profissão, mas tem pela frente todos os desafios de outro qualquer cidadão quando falamos de exercício físico e saúde.

Receitas e cozinha

Quando vamos a uma confeitaria, vemos uma grande variedade de bolos na montra, mas a base da sua constituição é a mesma: farinha, ovos, açúcar e manteiga. Ou seja, 4 ingredientes que adquirem diversas formas que depois são adornadas com outros elementos. A grande maioria de nós, com as receitas de toda essa pastelaria, não se iria transformar num pasteleiro, nem sequer nos iria permitir realizar tais doces criações. Com isto quero dizer que: são coisas simples, bons ingredientes, pontos de cozedura, combinação entre eles, que podem fazer um bom bolo. Embora a receita seja fundamental, se não a aplicarmos com frequência, se não a aperfeiçoarmos, apenas será um plano bonito. A caminhada ou a corrida podem ser exercícios fantásticos, mas, se eu não souber correr de forma adequada… Mais cedo ou mais tarde irei conhecer as lesões.

As tabelas de prescrição

UrF1UNestes 30 anos ligados aos ginásios, verifiquei que, embora a ciência não nos assegure matematicamente nada, a grande maioria dos profissionais baseia o seu trabalho numa tabela cujas colunas se intitulam: força, potência, hipertrofia, resistência muscular, etc. Para baixo lemos conteúdos como 4 séries de 8-12 repetições e outras indicações afins, como se os músculos soubessem contar, como se os estudos onde tudo isto se baseia, tivessem em conta a velocidade de execução dos exercícios ou a amplitude de movimento (pequenos detalhes para alguns), como se as amostras fossem significativas ou os estudos longitudinais. Em vez de repetições, porque não estudar o tempo em carga? Para mim, as tabelas, são apenas orientações (por vezes grosseiras) daquilo que poderá estimular o tipo de resultados pretendidos. São compilações, às vezes incluem meta-análises, outras vezes são conclusões precipitadas na tentativa de fundamentar uma prática que sempre terá um pouco de razão e lógica, mas também muito de emoção e arte. A abordagem à prescrição do exercício físico baseada simplesmente em estudos fisiológicos, é como admitirmos que o cérebro é apenas neocortex (o mundo todo racionalizado) e que o nosso comportamento nada é condicionado pelo sistema límbico (responsável pelas emoções, o mecanismo dor-prazer, memória, etc.) ou pelo cérebro reptiliano (associado à nossa sobrevivência).

O vício de quantificar tudo

Existe um excessiva preocupação em quantificar tudo (embora isso seja importante para objetivar a prática, deixa sempre de fora tudo aquilo que nos faz humanos). Usamos a frequência cardíaca para controlar a intensidade de esforço, mas esquecemos que esta muda por questões mecânicas mas também por questões emocionais, logo não é uma medida exacta dessa intensidade. Os músculos não sabem contar, mas induzimos em erro os nossos alunos quando os limitamos a 10 repetições (se eu me focar no objetivo 10, mesmo que biologicamente seja capaz de fazer 12, estarei limitado pelo meu cérebro que irá “desligar” o corpo para cumprir a meta). Quando se fala de emoções, a investigação tem dificuldade em quantificar, quando se procura investigar a influência das necessidades básicas ou da questão da dor, também nos deparamos com essas dificuldades. É uma sociedade agarrada aos números, que ao sair daquilo que pode quantificar, logo resume todos os outros problemas psicológicos relacionados com o desportista e os mete no “saco” chamado motivação. Talvez se deva começar por aí, por procurar descobrir os porquês, descobrir as razões que levam uma pessoa a inscrever-se num ginásio ou a iniciar a prática desportiva. Se eu tiver razões muito fortes para ir em busca de um objetivo, eu vou transformar isso numa prioridade, vou abdicar de outras coisas, vou abandonar pessoas e quando tiver barreiras a ultrapassar, vou ter uma força enorme para o conseguir. Como diria o Eric Thomas, se queres ser bem sucedido quanto necessitas respirar, então serás bem sucedido. Também podemos colocar o desafio neste sentido: se a razão para quereres algo for tão forte que te faça chorar, então vais mesmo em busca desse algo, desse objetivo. Agora quantifiquem lá esse PORQUÊ! Arthur Jones, uma das pessoas que mais mexeu com a indústria do fitness, também disse: – a especialização é para os insectos!

Já nem falo da influência do ambiente social sobre a prescrição de exercício, porque é tão óbvio que as aulas de grupo, as “tribos” de crossfitters, culturistas, ciclistas de ginásio, geraram culturas que são a montra do fitness. São grupos de pessoas com os mesmos valores e as mesmas crenças no que diz respeito à atividade física. Agora quantifiquem lá porque eu gosto, porque vou com a cara desta ou daquela pessoa. O sucesso de qualquer sócio no ginásio tem muito a ver com o facto dela gostar ou não do professor (o mesmo se passa na escola). Porque gostamos da pessoa com quem vivemos? Difícil responder e quando tentamos racionalizar a resposta parecemos uns “tótós” a criar uma explicação para algo que não se quantifica 🙂

Adesão à prescrição

Os resultados obtidos com o exercício físico, podem depender obviamente do tipo de prescrição, mas dependem sobretudo da progressão, da sobrecarga, da forma como levamos a prescrição à prática, bem como do repouso e alimentação entre treinos. Adesão a tratamentos médicos e adesão ao exercício físico são monstruosos desafios que condicionam a prática médica e a educação física. É um problema de saúde pública. Já agora: a saúde definida pela Organização Mundial de Saúde, é um estado de completo bem-estar físico, mental e social. No entanto, a prescrição do exercício, raramente considera o indivíduo como um ser bio-psico-social (não sei porque estou sempre a chamar à atenção desse facto).

É bonito criar um mesociclo de treinos, mas é no microciclo que tudo faz a diferença, tudo se aplica ou não, é no dia-a-dia que os treinos ocorrem ou não ocorrem. Aliás, mesmo no desporto de alto-rendimento, poucos são os treinadores que têm possibilidade de efetuar trabalhos de longo prazo onde um macrociclo a sério faça sentido. É tudo a prazo curto e limitado. Eu próprio nunca pensei conseguir com alguns clientes fazer 300 treinos, 500 treinos ou 20 anos de treinos regulares consecutivos. Por isso o plano é semanal, mensal, quando muito… Trimestral, com tanta flexibilidade quanto as exigências profissioniais dos alunos, tão adaptável quanto as horas de sono dos clientes, tão condicionado quanto as emoções das pessoas que treinamos, por vezes altamente influenciadas pelas 5 pessoas com quem passam mais tempo. Mas é aí que o processo de treino é exigente. Costumo dizer, que, se o plano corre exactamente como previsto no papel, é porque fui pouco ambicioso, porque conheço mal o indivíduo ou não tive os 5 sentidos alerta para aproveitar as janelas de oportunidade que os meus alunos me abriram.

Novas tecnologias

mymotive_ring
MyMotiv Ring

As pessoas não seguem um regime de treinos porque falta auto-disciplina, porque falta um método adequado e porque falta auto-controlo do treino. Como a maioria dos profissionais dos ginásios se dedicou todos estes anos a fazer avaliações da condição física e prescrições de exercício para pessoas que dificilmente vêm ao ginásio 2 vezes por semana, usando num papel e uma caneta, com intensidade e volume de treino em função quase exclusivamente do objetivo do aluno sua idade e fatores de risco, as novas tecnologias entraram em força. Muitos profissionais nem se deram conta. No espaço de 10 anos, as vitrinas das lojas de desporto e das lojas tecnológicas, encheram-se de monitores de atividade física. Dos marca-passos passamos a dispositivos detetores de movimento, com GPS e controlo de frequência cardíaca cada vez mais fiáveis. O seu tamanho e leveza diminuiu de tal forma que este último ano já deixamos os objetos de pulso tipo relógio e passamos aos anéis como MyMotiv ou OURA. São dispositivos que controlam e criam disciplina. As aplicações de telemóvel nesta área da prescrição também cresceram tremendamente. Mas aqui reside o problema: os profissionais, seres humanos, estão a prescrever exercício da mesma forma que estas máquinas e aplicações o fazem. Estão a desaproveitar o facto de serem humanos capazes de ler micro-expressões, capazes de sentirem emoções, de liderarem um processo num mundo que paga ATENÇÃO como se fosse um bem escasso (é mesmo tão escasso que os nossos jovens estão completamente viciados nas redes sociais e nos telemóveis). Mas, se os profissionais de atividade física, se os treinadores se focarem em realizar tarefas humanas e se usarem estes dispositivos para as missões de controlo de treino, poderão continuar a ser pessoas indispensáveis (algo que a indústria do fitness combate intensamente para reduzir custos). Engraçado que eu próprio, depois de muito experimentar e muito dinheiro gastar com dispositivos e aplicações, o registo de treino mais eficaz que conheço continua a ser com o tradicional papel e caneta 🙂

Treinos à distância

c_6klwpuqaaeyt4
FitBot Software

Fitness by Phone, Fitbot e VirtuaGym são claros exemplos de oportunidades de mercado que surgiram pela tremenda falha na intervenção dos personal trainers que apenas se dedicavam a contar repetições, a afagar as pessoas, a exibir conhecimento teórico ou a desnudar os seus corpos na busca de seduzirem os clientes. Estas marcas conseguiram criar plataformas que permitem aos personal trainers um acompanhamento à distância e um trabalho de coaching com os alunos, facilitando a gestão de um enorme número de clientes. As evidências parecem indicar que o contacto com voz é mais eficaz. Mas ainda estão longe de serem uma intervenção eficaz, por isso vemos agora um crescimento nas ofertas de personal trainers que combinam pacotes de treinos presenciais com acompanhamento à distância: criam a programação (método), controlam progresso, usam e-mail, telemóvel, vídeo e skype para criar disciplina e melhorar a adesão ao exercício. São uma solução interessante na relação preço/qualidade.

Então, Quem prescreve?

Como professor de educação física, treinador e personal trainer, não me faz confusão nenhuma que uma pessoa que saiba mais do que eu de determinada atividade, que tenha mais experiência, mais conhecimento, me dê indicações sobre aquilo que posso fazer para melhorar a minha técnica, condição física e saúde. Mas se essa pessoa liderar o processo, então a sua prescrição terá maior probabilidade de êxito. Ou seja, para mudar uma fralda, eu nunca iria perguntar ao indivíduo que fala sobre fraldas, conhece os materiais das mesmas, estuda fraldas, publica sobre fraldas, mas que nunca mudou uma borradona 🙂 Se eu quero ser treinador, eu tenho de treinar pessoas. Claro que procurarei sempre o indivíduo com mais experiência mas que estuda e procura melhorar constantemente, mesmo que isso passe por vezes pela confirmação que os seus processos se devem manter na generalidade. Também temos consciência que os melhores atletas raramente se transformam nos melhores treinadores. Como diria alguém: se queres aprender a treinar um cavalo de corrida, não vais perguntar ao cavalo como se faz. Acredito no equilíbrio entre a teoria e a prática, entre o ideal e o real.

teoria_associacao_cognitiva_ginásiosOs resultados no treino estão muito dependentes da intensidade (seja aquele que quer fazer 300kg de agachamento ou o senhor que recupera a locomoção depois de um AVC), porque treinar é sair da zona de conforto. Mas… Isso significa dor. O ser humano funciona bem em termos de mudanças comportamentais quando usamos o mecanismo dor-prazer (controlado pelo sistema límbico), bem como por associações cognitivas que vai criando na sua mente. Mas como fazer as pessoas passarem por desconforto sem perceberem? Não é no papel que isso se faz, até porque numa entrevista, no primeiro dia, pouco ficamos a saber do aluno. Primeiro temos de criar rapport, criar uma relação de confiança para que a outra pessoa dê importância e se submeta às nossas orientações. Quem sou eu para mandar um desconhecido fazer 10 repetições? É necessário que ele me reconheça competência, e autoridade para tal. É necessário que “vá com a minha cara” 🙂

No fundo, a prescrição de treino:

  • parte de uma triagem generalista;
  • traçamos um plano de orientação global que respeite biologia, leis naturais do treino, anatomia e a relação com o aluno;
  • para depois avançar com um conhecimento profundo do indivíduo (dentro das dimensões bio-psico-sociais);
  • para um processo de treino organizado que vai sendo constantemente alterado em favor do aluno, usando para isso um bom registo de treino.

É como uma estratégia de jogo: temos de ter recursos e estar preparados para alterar de acordo com os momentos de jogo.

Eu também achava que para treinar uma grávida era só aplicar as linhas de orientação do American College of Obstetricians and Gynecologysts, mas quando tive oportunidade de acompanhar 2 gestações da mesma pessoa, verifiquei que cada caso é um caso e nem a mesma pessoa reage de igual modo em momentos diferentes (numa primeira gestação pode ter incontinência urinária, perda de peso e grande laxidez articular e numa segunda gestação nada de anormal ocorrer, comendo da mesma forma, treinando de maneira idêntica). São desafios únicos. E por muito que se estude, será sempre um ato misto de ciência e arte onde temos de liderar: pessoas (se estas nos quiserem seguir).

No final de toda a reflexão e análise, a rotina de treino pode ser constituída apenas por 3 exercícios (ingredientes) aos quais adicionamos mais meia dúzia durante o ano (devem ser de qualidade, tal como a farinha ovos açúcar e manteiga). São rotinas simples de treino que:

  1. têm de criar regularidade;
  2. criar algum tipo de prazer (com estratégias de dissociação cognitiva como pode ser a música) no meio do desconforto;
  3. devem libertar dopamina (substância química ligada ao prazer) para substituir o poderoso efeito criado pelos telemóveis e redes sociais;
  4. libertar ocitocina pelo apego e empatia com o professor.

Só depois, podemos ir avançando para intensidades mais elevadas, intervenções alimentares e tudo preferencialmente sem o aluno perceber que estamos a impor muito conteúdo. É um processo de descoberta.

Na prescrição de exercício ninguém o viu treinar, nem conhece a sua cultura geral ou desportiva, as suas verdadeiras motivações, a sua tolerância ao esforço, as suas necessidades individuais, o material disponível e os condicionalismos de gestão de espaço que ocorrem no momento do treino, nem sequer o seu potencial para o desenvolvimento de força ou mesmo se tem perfil de aproximação ou afastamento. Ainda por cima essa prescrição é por vezes baseada nas conclusões retiradas de estudos científicos cujos indivíduos podem ou não ter características e condições de treino similares às suas. Pense nisso!

Se fosse fácil eram todos treinadores e bastava prescrever. Sou treinador desde os 17, treinei milhares de pessoas com registo de treino diário em sala de musculação e em situação de treino personalizado e continuo incrédulo quando me aparece alguém que pagou 100€ por uma folha com exercícios e respetivas doses, mais 50€ por uma dieta, para depois me virem pedir que lhes ensine a fazer os exercícios do plano e lhes indique suplementos para tomar. Prescrever exercício é algo tão limitado quanto ser treinador de bancada.

Motivação e adesão aos ginásios

Por Nuno Couto e Luís Cid

Carlos Silva, Paulo Sena, Nuno Couto e Luís Cid na defesa pública da Dissertação de Mestrado de Nuno Couto
Carlos Silva, Paulo Sena, Nuno Couto e Luís Cid na defesa pública da Dissertação de Mestrado de Nuno Couto

Basta pesquisar um pouco sobre a investigação realizada acerca da Psicologia aplicada ao Exercício Físico, para verificarmos que o tema da motivação é um dos mais aplicados a este domínio. Esta inclusão surgiu pela tentativa de compreensão do comportamento humano neste contexto específico, onde para muitos, o que é hoje, amanhã já não é! Com isto queremos dizer, e como muitos que agora estão a ler este documento sabem, que quando os indivíduos na sua grande maioria iniciam a prática de exercício num determinado ginásio, fazem-no com determinados objectivos de frequência e participação (adesão), o que passado algumas semanas, ou mesmo dias, esses mesmos objectivos são reformulados, e na sua grande maioria, num sentido desajustado à obtenção dos benefícios, quer físicos, quer psicológicos, que uma prática regular proporciona aos praticantes.

Sabendo nós da elevada influência que os estímulos fornecidos pelo contexto exercem sobre o comportamento dos praticantes, fomos aplicar a Teoria da Autodeterminação ao contexto da prática de exercício físico em ginásios, visto ser uma das mais fortes teorias motivacionais que explica o desenvolvimento e funcionamento da personalidade em contextos sociais através de uma conceptualização multidimensional da motivação que assenta num continuum motivacional que oscila entre as formas menos e mais autodeterminadas (extrínseca vs intrínseca), relacionando assim as suas componentes: necessidades psicológicas básicas (autonomia; competência; relação) e a regulação motivacional com a adesão dos praticantes de exercício físico em ginásio. Esta teoria afirma fundamentalmente que o comportamento intrinsecamente motivado é autónomo e autodeterminado, e que não existem dois pólos motivacionais: motivação extrínseca e intrínseca, mas sim um continuum motivacional, através do qual o sujeito regula o seu comportamento. À medida que possui uma maior índice de autonomia, avança-se no sentido da autodeterminação , ou seja, o comportamento intrinsecamente motivado. No entanto, isto não significa que não possa existir a regressão para um sentido mais externo da motivação, basta que para isso exista menor percepção de autonomia na realização do desse comportamento.

Nesta investigação, participaram 102 indivíduos praticantes de exercício físico num ginásio do distrito de Leiria – Portugal, com uma média de idades de 28.75 anos, sendo 52 elementos do sexo feminino e 50 do sexo masculino. Para o estudo, utilizamos a versão portuguesa do Behavior Regulation Exercise Questionaire (BREQ-2) e do Basic Psychological Needs in Exercise Scale (BNESp), instrumentos que permitiram avaliar a regulação motivacional e a satisfação das necessidades psicológicas básicas, respectivamente. A adesão foi medida através do registo informatizado de presenças dos praticantes ao ginásio durante um período de seis meses.

Os principais resultados indicam a não existência de diferenças na satisfação das necessidades psicológicas básicas de autonomia, competência, relação e na regulação motivacional, independentemente do estado de adesão. Aferimos ainda, que a satisfação das necessidades psicológicas básicas e a regulação motivacional, não exercem influência sobre o tempo médio de cada treino, a frequência semanal e o tempo que praticam exercício físico no ginásio.

Verificamos assim, que neste ginásio, não é por ter mais tempo de prática no ginásio, ou ter um tempo médio de treino superior, que se verificava um maior nível de satisfação das necessidades psicológicas básicas e um maior nível de regulação motivacional. Mas em termos práticos, o que isto significa?

A bibliografia diz-nos que o comportamento autodeterminado associa-se positivamente à manutenção da prática de exercício físico, por outro lado, a menor autodeterminação associa-se a regulação externa do comportamento, o que pode ter consequências negativas sobre o estado de manutenção do comportamento. No entanto, no presente estudo, verificámos uma situação contrária neste ginásio. Contudo, durante a investigação percebemos existir uma elevada satisfação das três necessidades psicológicas básicas e razoáveis valores na autonomia do comportamento, resta-nos questionar sobre a possibilidade de, ao longo do tempo, estes comportamentos se manterem.

Assim e de uma forma mais prática desta exposição, resta-nos reflectir sobre a seguinte questão: como se faz para fazer evoluir e manter um comportamento intrinsecamente motivado em praticantes de ginásio?

  • Promover a satisfação das necessidades psicológicas.

Para promover a necessidade de autonomia, deve-se permitir que os praticantes participem na tomada de decisão sobre as actividades do seu programa de exercício, ou seja, é necessário conhecer as necessidades próprias de cada praticante e proporcionar-lhes um maior controlo sobre as suas acções.

Por exemplo: No início, na chamada fase de adaptação do indivíduo ao ginásio, deve-se proporcionar o maior número de actividades para que este conheça, e dê a conhecer os exercícios favoritos, para que na altura de se prescrever o exercício, se faça a inclusão destes no programa. Seja como for, isto não quer dizer que não seja importante e se deva manter os processos funcionais do exercício, necessários para que o indivíduo atinja os objectivos a que se propôs.

Em termos práticos, podemos dar como exemplo o seguinte: no ginásio existem duas bicicletas, uma reclinada e outra vertical, mesmo tendo solicitações fisiológicas diferentes, a inclusão no programa de exercício da opção que mais agrada ao praticante, contribui de forma bastante positiva para a forma como este realiza o comportamento.

Para a promoção da necessidade de competência, deve-se orientar as pessoas para uma busca de desafios de acordo com as suas capacidades, apelando sempre à melhoria das aprendizagens e superação pessoal.

Por exemplo: como instrutor, sei que determinada pessoa não possui capacidades coordenativas desenvolvidas o suficiente para que possa realizar uma actividade mais técnica (por exemplo: uma aula de step ao power jump, então porquê recomendar que faça este tipo de aulas, para proporcionar sentimentos de incompetência? Neste ponto parece que entro em contradição com o exemplo dado para o caso da autonomia, pois disse que se devia de experimentar tudo. Mas não é disso que se trata, pois se quem acompanhar o praticante, o prepara para o que possa acontecer. Coloquemos uma situação hipotética relacionada com o facto de um praticante (a Maria ou o Manuel) vai ter dificuldades na minha aula de step porque tem dificuldades coordenativas, então tenho que a preparar para o que possa acontecer:

“A Maria sabe como é uma aula de step? Numa fase inicial pode parecer confusa esta mudança de movimentos entre o solo e o step, mas se sentir alguma dificuldade é perfeitamente normal. É normal que veja os outros praticantes virados para um lado e você para outro, no entanto, se continuar a frequentar esta aula, irá verificar que se vai sentir mais à vontade e que conseguirá acompanhar a coreografia.”

Este tipo de diálogo prepara o indivíduo para o que possa acontecer, tomando logo à partida consciência do factor negativo, havendo logo à partida uma preparação pré-pratica que engloba uma situação menos positiva da prática. Não sendo intenção deste artigo, é fundamental como a maioria dos instrutores de fitness sabem, o acompanhamento durante a aula, sendo este bastante importante para a promoção e manutenção do sentimento de competência:

“Boa Maria! O movimento mais difícil já está, agora melhora a posição dos braços para ficar excelente….isso mesmo, muito bem!”

Este reforço promove a promoção do sentimento de competência e além disso, deixa o praticante sem o receio de ser incompetente na execução técnica.

Relativamente à necessidade de relação, é importante que os indivíduos em contexto de exercício físico possam estabelecer relacionamento (s) com os que se identificam mais, com um sentimento de vínculo com os outros, deve-se manter a relação de bem-estar, segurança e a unidade com os membros de uma comunidade.

Por exemplo: apresentar o indivíduo aos outros praticantes é fundamental para que isto possa acontecer. Por exemplo: os instrutores que encaminham uma pessoa pela primeira vez a uma passadeira, e ao lado está alguém que já conhecemos, porque não fazer a apresentação? “Dona Ana, hoje vamos começar aqui na passadeira….” e quando chegamos junto à passadeira, podemos fazer referência à pessoa que está  ao lado “….hoje fica aqui junto do Srº João, sabe ele é perto da sua terra…” esta pequena ligação possibilita quebrar logo ali uma barreira, mas existe um senão: há que perceber se neste caso o Srº João se interessa ou está disposto para este tipo de diálogo.

Durante as aulas de grupo, porque não promover a interacção entre os alunos? Existem modalidades pré-coreografadas que já contemplam este tipo de comportamentos, mas pode-se criar determinados movimentos em aulas que podem ser realizados com interacção com diversos elementos, promovendo um sentimento de relação e integração com outros praticantes no ginásio.

No entanto, e na continuação da promoção de uma motivação autónoma (mais autodeterminada) associa-se 2 tipos fundamentais de regulação do comportamento:

1)      Motivação Identificada: através da qual o sujeito aceita o comportamento como pessoalmente importante, identificando-se com o seu objectivo e valor;

2)      Motivação Intrínseca: através da qual o sujeito realiza o comportamento apenas pelo prazer, divertimento e satisfação que lhe está inerente.

Estratégia 1: Explicar as Razões/Propósitos das Actividades/Exercícios

Objectivo: Atribuir um sentido à actividade/exercício e potenciar uma percepção clara e correcta daquilo que se está a fazer e o porquê de se fazer, permitindo que os praticantes possam atribuir importância e valorizarem a actividade/exercício.

Por exemplo: (através da forma e conteúdo da comunicação/acção para com os praticantes): O que se deve fazer/dizer: “Este exercício vai permitir desenvolver os músculos que estão na base de sustentação da postura”; “Ao realizar a actividade a um ritmo menos intenso irá proporcionar uma diminuição do impacto sobre as articulações”; “Se aumentar o volume da carga para níveis inabituais aumentará o risco de lesão e o surgimento de contracturas (dores) musculares”. O que NÃO se deve fazer/dizer (apenas): “Olá a todos! Vamos começar a aula?”; “Ao fazer abdominais não ponha as mãos atrás da cabeça”; “Não incline o tronco à frente no agachamento!”; “Agora vamos subir e pedalar em pé durante 10 minutos!”.

Estratégia2: Identificar Aquilo que os Praticantes Gostam de Fazer

Objectivo: Potenciar a prática de actividades/exercícios que sejam agradáveis ao praticante, aumentando o prazer pela sua realização.

Por exemplo: (através da forma e conteúdo da comunicação/acção para com os praticantes): O que se deve fazer/dizer (ou perguntar): “Diga-me lá uma coisa: de tudo aquilo que já experimentou o que é que gosta mais de fazer?”; “De todos os exercícios do seu programa, quais são aqueles que lhe custam mais fazer (aqueles que gosta menos)?”; “Hoje não lhe apetece fazer este exercício/aula ? Então arranjamos uma alternativa!”; “Quer mudar o seu programa de exercício?”. O que NÃO se deve fazer/dizer: “Tem de ser! Não pode fazer só aquilo que gosta!”; “Se não doer, não faz efeito!”; “Não existe outra forma, só conseguirá atingir os seus objectivos se fizer o que está no programa”.

Em suma, devemos:

  • Promover a Identificação com o Exercício (a valorização do exercício como pessoalmente importante para o praticante, reforça o compromisso com a actividade praticada);
  • Proporcionar o Divertimento (o ser humano repete o que é agradável e rejeita o que não é – o exercício tem de ser divertido para quem o faz).

Este tipo de comportamentos por parte dos instrutores e professores em contexto de ginásio, permite a satisfação das necessidades psicológicas básicas, logo a promoção de um comportamento mais autodeterminado, sendo fundamental para a manutenção dos praticantes de exercício físico, evitando por vezes a regressão de um comportamento com satisfatória autonomia para indicadores menos autodeterminados.

Assim, afirmamos que o ambiente que é desenvolvido no ginásio, é determinante para retenção dos praticantes, sendo este fundamental para o crescimento e integração do comportamento cada vez mais autónomo e autodeterminado, para tal, à que saber desenvolver situações capazes de promover no maior número de praticantes a desejada manutenção.

Nuno Couto

nunorpcouto@gmail.com

Mestre Psicologia Deporto Exercício pela ESDRM. Instrutor Power Jump / Cardiofitness. Treinador Futsal. Professor Actividade Física Escolar – Extra Curricular

Luís Cid

luis.filipe.cid@sapo.pt

Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Santarém