Se fosse fácil a vida no fitness…

Em Portugal temos cerca de 5 milhões de pessoas no ativo, ou seja, metade da população que trabalha para a outra metade do país: reformados que já deram o seu contributo, desempregados que passam tempos difíceis e jovens que ainda estão dependentes de seus pais.

Nos ginásios não sabemos bem o que se passa em termos estatísticos, mas, embora contraditórios, os números deixam transparecer que o mercado não cresce como os operadores gostariam.

Em 2007 a Marktest referia que 1,5 milhões utilizavam ginásios. Em 2013, cerca de 1,2 milhões. Em 2016 a Markest falava em 1,3 milhões. A AGAP, refere cerca de 540mil portugueses utilizam ginásios.

Quem anda nesta área de trabalho há algumas décadas, já percebeu que: para além dos problemas gerais da adesão ao exercício físico, os ginásios são uma poderosa indústria que complica o processo com muita informação e intervenção de todo o tipo de agentes que procuram obter lucro com os problemas do ser humano que procura no exercício físico uma ajuda para melhorar a sua vida.

Trabalhar como empresário, professor de aulas de grupo, musculação ou personal trainer, nesta área do fitness, não é um mar de rosas.

Se fosse fácil ser disciplinado, ninguém precisava de um treinador.

Se fosse fácil levar a cabo um método de treino simples e eficaz, também não precisávamos de ajuda.

Se fosse fácil o mercado do fitness crescia de forma sólida.

Se fosse fácil, as taxas de abandono dos ginásios não oscilavam os 40 a 60%.

Se fosse fácil, as médias de frequência semanal dos sócios não andavam entre 0,8 a 1,7 vezes.

Se fosse fácil, ninguém precisava de ajuda.

Se fosse fácil, a toma de anabolizantes diminuía.

Se fosse fácil os vendedores de suplementos, gadgets e geringonças, estavam desgraçados nas vendas, mas vão de vento em popa.

Se fosse fácil, as mais de 30 licenciaturas em educação física e desporto teriam mais foco nas atividades de ginásio.

Se fosse fácil, as cerca de 15 pós-graduações, mestrados e doutoramentos dedicados ao “alto-rendimento”, conseguiriam certamente aumentar esta lista de atletas.

Se fosse fácil, teríamos muitos instrutores e personal trainers com mais de 10 anos de atividade no ramo.

Se o mercado português fosse assim tão interessante, teríamos grandes representações dos maiores fabricantes mundiais de equipamentos.

Se o mercado português fosse tão interessante, os maiores operadores mundiais como LA Fitness, ou europeus como Virgin-Active, estariam por cá.

Se fosse fácil, o IVA dos ginásios mantinha-se nos 5% como em 2008 (já lá vão 10 anos). Infelizmente como não se repercutiu nos preços, voltamos aos 23%.

Os ginásios podem ajudar pessoas a mudar o seu estilo de vida e a obterem os benefícios biológicos, sociais e psicológicos associados à prática regular. Mas será que os ginásios vendem benefícios?

Para todos os treinadores, que gostam de ajudar pessoas, trabalhar no fitness é um desafio exigente do ponto de vista físico e mental. Liderança e comunicação são necessários para o sucesso porque…

O normal é ter pessoas (clientes) desmotivadas, com baixa auto-estima, com uma boa dose de preguiça, que reclamam, que dormem pouco, que comem mal, que sofrem de elevados níveis de stress e que fogem à dor. Nem necessitamos testar os níveis de condição física para saber que a população não melhorou ou para saber que partimos do zero quando começamos um processo de treino no ginásio. Quem tiver dúvidas que venha ver o que se passa com a condição apresentada pelos jovens nas escolas de Portugal. Se fosse fácil…

A melhoria é possível, mas…

Passa sempre pela consistência, pela credibilidade e pelo foco nas pessoas. No final, se os resultados produzidos a bem da população forem positivamente evidentes, não haverá político que resista à sedução da indústria do fitness.

Bons treinos!

Treino 475

A FORÇA é a mais generalista de todas as adaptações atléticas. Todas as outras capacidades físicas dependem, em diversos graus, da produção de força dentro do ambiente físico.

O TREINO É UM PROCESSO – Stress – Recuperação – Adaptação Aplicamos um determinado tipo de stress ao corpo, fazemos algo ao qual ele não está habituado. Descansamos, deixamos que ele recupere para se tornar mais forte, mais resistente, mais flexível.

PARA CAMINHAR NECESSITAS FORÇA

PARA TE EQUILIBRARES NECESSITAS FORÇA

PARA TRANSPORTAR PESO NECESSITASFORÇA

PARA TE LEVANTARES NECESSITAS FORÇA

PARA SALTAR NECESSITAS FORÇA

PARA GANHAR DUELOS NECESSITAS FORÇA

PARA CHEGARES MAIS RÁPIDO NECESSITAS FORÇA

PARA TERES BOA POSTURA NECESSITAS FORÇA

PARA FORTALECERES OSSOS NECESSITAS TREINO DE FORÇA

O EQUILÍBRIO, A VELOCIDADE, A AGILIDADE, TÊM POR BASE A FORÇA

PARA TERES MAIS CONFIANÇA NECESSITAS  FORÇA

O MOTOR DO CORPO HUMANO SÃO OS MÚSCULOS, PARA OS ESTIMULARES, NECESSITAS TREINO DE FORÇA

OS MAIORES DEPÓSITOS DE ENERGIA SÃO OS TEUS MÚSCULOS.

 

DE QUE ESTÁS À ESPERA?

COMO TREINAR? Técnica! Técnica! Técnica! Primeiro temos de dominar a [técnica], para depois treinarmos com [intensidade]e mais tarde podermos treinar durante muito tempo [endurance]. Ou seja, corremos 10m com boa técnica, depois corremos 100m o mais rápido possível com boa técnica, até que um dia fazemos 10000m de corrida sem parar.

Amplitude Total de Movimento – Porque queremos ganhar força em todos os ângulos articulares e queremos melhorar a flexibilidade [SIM! O TREINO DE FORÇA MELHORA A FLEXIBILIDADE].

DISCIPLINA + MÉTODO + CONTROLO Todos os processos de êxito na vida, necessitam estas 3 coisas.

Imprime grelha de registo de treino
Clica na imagem para obteres a folha de registo de treino em formato A5

MÉTODO Escolhe um dos exercícios da grelha. Faz o máximo de repetições corretas que puderes. Descansa e repete o processo até terminarem os 5 minutos de tempo corrido. Serão 3 ou 4 séries de várias repetições. Soma e regista na grelha. No segundo treino, escolhe outro exercício. Ao fim de alguns dias, quando já tiveres efetuado todos os exercícios, volta ao início. 5 minutos por dia, 4 dias por semana, 7 exercícios diferentes.No caso de não seres capaz de realizar algum movimento na totalidade, deverá efetua-lo de forma adaptada. Mais informação em: paulosena.com/5min

Treino de Hipertrofia – Dividir por Grupos Musculares

A hipertrofia muscular é uma adaptação dos músculos em resposta a um estímulo de tipo pesado ou muito pesado (princípio de sobrecarga). Sempre que deixemos o corpo produzir essas adaptações estruturais (princípio de ação retardada).

Divisão por Grupos Musculares

charles atlas photo
Photo by jbcurio

A divisão por grupos musculares só apareceu quando começaram a proliferar os esteróides anabolizantes. Até então, treinavam o corpo todo com excelentes resultados (Eugene Sandow ,  Charles Atlas, John Grimek, Reg Park, Steve Reeves, são exemplos famosos na era anterior ao boom das drogas promotoras de crescimento muscular). Sim, já se levantam pesos (barras e halteres) para estimular o corpo há mais de 100 anos, embora esta atividade se tenha popularizado quando empresas como a Spalding, ou a York 

começaram produzir equipamentos específicos de musculação.
O corpo não funciona por partes, quer do ponto de vista do sistema nervoso, quer por parte do sistema endócrino e digestivo (recordo que a contração muscular ocorre por impulsos nervosos e descargas químicas).
De qualquer modo, se querem dividir por grupos musculares, a estrutura mais lógica que conheço e usei durante muitos anos com sucesso (levantando pessoalmente aos vinte e poucos anos de idade, mais de 100kg no agachamento e supino, 150kg no peso morto e 60kg no press, sem drogas ou suplementos).
Os músculos que usamos nos exercícios de empurrar têm uma relação mais próxima. No treino seguinte podemos estimular os músculos dos movimentos de puxar. As pernas ficariam isoladas, dada a sua exigência.
Eis a proposta:
Treino A: peito, ombro, tríceps
Treino B: costas e bíceps
Treino C: pernas
Escolhe os melhores exercícios (aqueles que têm mais impacto local e metabólico, aqueles que estão no “mercado” a promover excelentes resultados há mais de 100 anos).
Treino A
Treino B
Treino C

Metodologia

Treinar 3 a 5x por semana, alternando a rotina A e B (melhores resultados são obtidos com 3).
Efetuar 3 séries até à falha muscular em segurança.
5 a 10 reps por série.
Procurar aumentar as repetições em todos os treinos. Ao ser capaz de realizar 10 reps, aumentar 1kg a 2kg à barra (dependendo se é um exercício de tronco ou se é um exercício de pernas).
Boa técnica.
Amplitude total de movimento.
Estabelecer objetivos específicos em cada um desses exercícios. Ou seja, verificar a performance atual em cada um dos exercícios. Exemplo: se és capaz de fazer 10 repetições com 50kg no agachamento, daqui por 10 semanas, deverás estar a fazer com mais peso. TRANSFORMA OS OBJETIVOS ESTÉTICOS EM OBJETIVOS FUNCIONAIS, porque quem levanta mais peso tem sempre músculos maiores do que aqueles que levantam pouco peso. Os objetivos deverão ser mensuráveis, específicos e estar agendados no tempo.
Comer mais do que gastas, para entrar num estado “anabólico” (notar que o corpo está a acumular um pouco de gordura de forma controlada). Costumo dizer – Se estás de pé e te podes sentar, senta; se estás sentado e te podes deitar, deita! Queremos reduzir todos os gastos supérfluos de energia. Agora a prioridade é força e massa muscular.
Dormir 8h por dia.
Beber mais de 2L de água por dia porque cerca de 70 a 80% da massa muscular é água.
Registar todos os treinos num diário.
A intensidade é a chave dos resultados, porque treinar é sair da zona de conforto. Se consegues fazer 10 repetições, tenta a 11ª sempre. Recorda: os músculos não sabem contar.
Funciona de forma natural sem drogas ou suplementos, porque sempre funcionou.
Bons treinos!