Saltos Verticais Necessitam Força

A capacidade de saltar na vertical sem corrida de balanço, impressiona qualquer um. É um teste muito utilizado há anos. Se querem perceber o potencial para o desenvolvimento de força e velocidade de um indivíduo, este teste fácil de executar, dá-nos uma excelente ideia, porque ao longo destes 25 anos a lecionar aulas de educação física no ensino secundário, pude verificar uma correlação direta com níveis de força nas flexões de braços e agachamentos, bem como na performance no teste de 40m.

Acabei pesquisando um pouco por curiosidade, a performance de alguns atletas que é pública ou se tornou viral na internet. Encontramos uns resultados incríveis.

Um Jogador de Futebol Americano

Byron Jones 1,85m 90kg (dados oficiais do Combine NFL)

Salto horizontal 3,73m

Salto vertical 1,13m

Um Jogador de Basquetebol 

Justin Anderson 1,98m 104kg (dados oficiais do Combine NBA)

Salto horizontal 2,56m

Salto vertical 96,5cm

Um Jogador de Voleibol

Leonel Marshall Jr. 1,86m 86kg

Registos dizem ter alcançado 3,93m num remate.

Podem não ser reais, mas conhecendo a altura da rede (2,43m) e observando diversas imagens deste atleta no bloco e no remate, impressionam o alcance. Aliás, os jogadores de voleibol demonstram saltos verticais quase sem balanço, verdadeiramente impressionantes.

Um Jogador de Futebol

Dos craques de futebol, não encontramos muitos registos rigorosos. Mas os que mais se popularizaram, foram os do:

Cristiano Ronaldo 1,89m 85kg

Salto com balanço 78cm (Embora os testes sejam diferentes a diferença de performance é evidente).

Existem outros registos referindo 71cm no salto vertical.

Termino com este salto de Evan Ungar (1,79m de estatura), diretamente do Livro do Guiness  saltou 1,61m e aterrou em cima da pilha de pesos sem corrida de balanço.

Algo que verificamos, é que os atletas mais altos nas suas modalidades, não são os que mais saltam.

Fica a publicidade porque não havia vídeo nessa altura: Paulo Sena (174cm de estatura e cerca de 77kg) aos 16 anos fazia 150cm de salto tesoura sem colchão e tocava no aro de uma tabela oficial de basquetebol. Bons tempos! 🙂

Haverá alguma relação com o treino de força? Isso não sei, mas todos estes atletas são conhecidos por bom desempenho na guerra com os pesos dentro do ginásio, porque a força é a capacidade motora base de todas as outras.


Ver esta publicação no Instagram

 

Saturday squats! 6×3 319lbs. 3 weeks out from my jump on TV in the Netherlands!! #MakeTheDecision #jumptheworld #jumpman #GuinnessWorldRecord #worldrecord

Uma publicação partilhada por Evan Ungar (@evanungar) a

 

Tendências do Fitness 2020

Vale o que vale, pois é fruto dos inquéritos aos membros ACSM. Mas, nota uma tendência minimalista. E o número um, como venho dizendo há anos, denota que os professores abdicaram de ser humanos e se focaram em prescrição e controlo de treino. Quando nos focamos em tarefas que as máquinas fazem melhor do que nós… Retiramos valor e somos menos valorizados. O treino de força, cá continua, embora com o nome de treino com pesos livres. Mas os seu “amigo” de sempre nestas tendências ACSM, cá está: personal training. De resto, uma ligação constante à saúde, que eu recordo ter sempre uma dimensão psico-bio-social, dependente de uma frequência de estímulo mínima, a qual, infelizmente não ocorre na maioria dos ginásios portugueses, com frequências médias semanais entre 0,8 e menos de 2x por semana.