23 formas para combater aumento do IVA no Ginásio

Após a decisão negativa do Governo em aumentar o IVA para 23% nos Ginásios em Janeiro 2011, sem pensar nas consequências prejudicais para o utilizador que frequenta esses espaços, que desta forma vêem aumentar o preço de um bem que é de primeira necessidade “Mens sana in corpore sano” – uma mente sã num corpo são, o que fazer como utilizador? Deixar de ir ao Ginásio? Fazer limpeza no Ginásio que frequenta, esperando que desta forma se obtenha um desconto? É claro, que qualquer uma das soluções mencionadas não será a mais apropriada, devemos sim tentar encontrar soluções para que possa continuar a utilizar o “vosso” Ginásio.

Numa perspectiva de utilizador / frequentador, eis uma lista de 23 formas de poupar, para que ninguém deixe de praticar exercício físico no seu espaço favorito:

  1. Frequente o Ginásio em horários off – peak, por norma os preços são mais económicos, conseguindo também uma maior disponibilidade dos técnicos e dos aparelhos.
  2. Se não puder pagar mensalidades nas quais tenha acesso a todos os serviços e a frequentar todos os dias da semana, opte por mensalidades mais em conta, não se esquecendo de intensificar os seus treinos.
  3. Leve consigo água ou a bebida energética de casa, conseguido assim um preço mais económico do que comprado em outro local.
  4. Evite serviços pagos extra no Ginásio.
  5. Aproveite os descontos efectuados pelo Ginásio.
  6. Compre vestuário de desporto economicamente mais barato (o Ginásio é para treinar e não para fazer desfiles de moda).
  7. Vá ao Ginásio em transporte público evitando assim custos maiores.
  8. Corra até ao Ginásio, quando chegar terá o aquecimento feito e poupado no transporte.
  9. Partilhe o transporte com o parceiro de treino.
  10. Intensifique os treinos, para não ser necessário utilizar suplementos alimentares.
  11. Evite comprar revistas de fitness / musculação, consulte as disponibilizadas no Ginásio.
  12. 12. Resista à tentação de comer constantemente fora, evitando assim gasto maiores.
  13. Tome o pequeno-almoço e lanche em casa é mais económico, e mais saudável podendo adaptar os mesmos ao seu tipo de treino.
  14. Deixe de comprar produtos adelgaçantes, substituí-os por exercícios mais intensos.
  15. Registe sempre os seus treinos para obter melhores resultados.
  16. Em caso de tratamentos de lesões, opte por centros fisioterapia ou recuperação Municipais ou Públicos, são os mais económicos.
  17. Aproveite as ofertas culturais gratuitas, são boas a maior parte das vezes e não custam nada.
  18. Se gosta muito de ir ao cinema, vá nos dias em que as sessões são economicamente mais baratas.
  19. Tente colocar de parte alguns trocos, resistindo a tentação de lhe tocar, vai ver que terá o dinheiro extra no fim do mês para ir ao Ginásio.
  20. Reduza a despesa com os telemóveis e meios de comunicação.
  21. Tome banho depois do treino sempre que possível no espaço que frequenta, poupa nas facturas do fim do mês (água, luz e gás).
  22. Evite treinos muito prolongados “Time is Money “ – tempo é dinheiro.
  23. Se tudo isto não resultar, pense em novas formas de poupar, para que assim não deixe de ir ao Ginásio.

Com pouco esforço o seu corpo irá agradecer!

Prof. Carlos Pinto

Prof. Carlos Pinto

carlospintoedfisica@sapo.pt

 

É possível uma equipa à Mourinho no seu ginásio?

Mourinho4
Image via Wikipedia

“A melhor maneira de tu motivares os outros és os outros perceberem a tua própria motivação. É eles perceberem que tu estás motivado todos os dias, que trabalhas com alegria, com dedicação, com motivação, que dás o máximo. É eles verem que, mesmo nos momentos mais difíceis e mais complicados, tu apresentas ainda mais vontade, mais níveis de motivação e de confiança. (…) O líder tem de ter uma força psicológica grande, porque os que são liderados alimentam-se da motivação, dos princípios e dos valores do líder.”

Olhando para esta afirmação de Mourinho à revista Visão, percebe-se que a chave deste treinador de sucesso para atingir o factor tão desejado “motivação” da sua equipa, parte do seu próprio exemplo, a sua própria motivação é o motor, e isso é transmitido à sua equipa. Permite-nos reflectir também, a importância, neste estilo de liderança, sobre o papel activo, influente, interventivo que o treinador assume no desempenho da sua equipa.

Enquanto director, coordenador de um ginásio, sente que o seu comprometimento, empenho e motivação são contagiados à sua equipa? Como gere as suas flutuações de empenho, ao longo da semana? Será que existem necessidades em diferentes grupos de trabalho? De que forma as gere no seu dia-a-dia? Na sua equipa os papéis dos seus elementos estão bem definidos, todos sabem o que fazer?

Estes são os desafios que Mourinho, e qualquer líder com responsabilidades sobre uma equipa, seja líder de uma equipa de colaboradores, líder de uma sala de cardio-musculação, líder de aulas de grupo, enfrentam. Desafios que foram percepcionados, durante muito tempo, como “pormenores” mas que estes exemplos mediáticos de sucesso (como a figura de Mourinho), acabam por demonstrar que é o trabalho nestes “pormenores” (o treino de competências individuais e de equipa como a comunicação, capacidade de gestão de conflitos, o trabalho em equipa) que distinguem bons desempenhos de desempenhos excelentes.  

Num contexto actual, onde a palavra crise é emergente, (o poderoso Real Madrid de Mourinho, nega a compra de um 9 a Mourinho), o importante, citando o próprio, em declarações ao diário Marca, é: “… dedicar-me ao que tenho de me dedicar.”; Aproveitando esta afirmação, o principal desafio é aproveitar os recursos e competências de cada elemento da equipa, olhar para dentro, para os “pormenores”, conhecer os seus pontos fortes, os da sua equipa, e OPTIMIZÁ-LOS. Bem como, IDENTIFICAR OS PONTOS MAIS FRACOS, TOMAR CONSCIÊNCIA da sua existência e implicações de forma a INICIAR ACÇÕES no sentido da melhoria desses elementos mais fracos.

Catarina Barriga Negra

Cristina Oliveira