Quer comprar? As Vendas no Personal Training

976065_10201268692098741_454124000_o_14856834640_o– Compre! Compre! Compre! Diz um indivíduo com roupa de funeral. Mas o que está ele a vender? Não vejo produtos, nem sequer o vi trabalhar… O que será que ele faz? Nunca o vejo ajudar ninguém… Quer comprar?! Eu até comprava se percebesse o que ele me quer vender. Interrompe-me… Nem sabe o meu nome… As minhas necessidades… e quer vender-me um serviço que eu nunca vi executar?! Um cirurgião que nunca fez cirurgia… Hmm! Estranho… Desconfio!

Vender começa na sala de musculação, nas aulas de grupo, na piscina, na receção, desempenhando muito bem a nossa função. Tens de ser tão bom e famoso que as pessoas vão deixar os outros para te contratarem a ti.

Amigo que me queres vender o teu serviço de personal training: deixo-te umas ideias que podem iluminar o teu caminho.

Vender é um estado de confiança.

Vender começa com uma intenção, começa com um porquê, uma razão.

Vender é dizer: – vou conseguir…

Vender é ter objetivos específicos, mensuráveis e com uma data.

Vender é transmitir emoção ao falar, ao andar, ou quando subimos escadas.

Vender é natural.

Vender é estar em palco, é… Alta performance.

Vender é ensaiar, treinar procedimentos.

Vender é caminhar ao ritmo dos sócios.

Vender é escutar atentamente com acuidade sensorial.

Vender é falar ao ritmo do cliente.

Vender é ser eu próprio sem photoshop.

Vender é refletir num diário.

Vender é ter uma visão clara daquilo que queremos e rever essa visão diariamente.

Vender é dar muito mais antes de receber.

Vender é ser famoso.

Vender é informar sobre quem sou e o que faço.

Vender é comunicar benefícios do serviço que eu vendo.

Vender é procurar pessoas que tenham dinheiro para comprar ou algo para me dar em troca.

Vender é pensar que estamos sempre a vender, porque tudo aquilo que fazemos para criar uma relação comercial com alguém, é marketing.

Vender é fazer com que os outros digam que eu sou bom naquilo que faço.

Vender é usar o que se vende: treinar, comer e descansar da forma que advogamos…

Vender é acreditar no cliente quando o próprio cliente não acredita.

Vender é ser amigo.

Vender é contar estórias (evita contar aquela: – Estou desesperado, compre-me a mim!)

Vender são testemunhos. Cria o teu livro de testemunhos.

Vender é resolver problemas simples e monótonos.

Vender é melhorar todos os dias.

Vender é procurar pessoas.

Vender é dar espaço às pessoas.

Vender é criar escassez.

Vender é ser especialista (isso leva tempo… Uns 10 anos).

Vender é criar uma tribo com um interesse comum.

Vender é por os membros da tribo a comunicar entre si.

Vender é cuidar do espaço íntimo: proxémica.

Vender é controlar o treino: data, duração, séries, repetições, carga, intensidade.

Vender é manter o foco.

Vender é ser consistente.

Vender é ter um método.

Vender é receber como em casa.

Vender é chegar antes da hora.

Vender é defender uma causa.

Vender é ter ferramentas únicas.

Vender é reputação.

Vender é ensinar a outros treinadores aquilo que aprendeste.

Vender é ter uma rede de contactos que os outros não têm (e ter permissão para os contactar).

Vender saúde implica considerar o ser humano como um ser bio-psico-social.

Vender é encontrar serviços e produtos para os meus clientes.

Vender é cuidar da minha imagem.

Vender é sorrir.

Vender é bom hálito.

Vender é bom aroma.

Vender é saber tocar nos clientes (quando necessário).

Vender é arrumar.

Vender é limpar.

Vender é falar baixinho.

Vender é bailar.

Vender é cantar.

Vender é usar bem o diafragma.

Vender é observar.

Vender é escrever.

Vender é comunicar ao mundo com um blogue, um canal de vídeo, uma newsletter, de forma regular.

Vender é ler nas entrelinhas.

Vender é ser atraente.

Vender é estar disponível.

Vender é circular na sala.

Vender é fazer o carrossel: dar um pouco de atenção a todos os clientes.

Vender é agradecer: – Obrigado por ter vindo.

Vender é comprometer: – Quando é que o volto a ver?

Vender é ajudar sem intenção de receber.

Vender é semear.

Vender é regar.

Vender é acompanhar.

Vender é estar presente.

Vender é estar focado nos objetivos de tarefa mais do que nos objetivos de resultado.

Vender é ajudar a carregar e descarregar uma barra.

Vender é conhecer a história do fitness.

Vender é descobrir o historial do cliente.

Vender é conhecer pessoas.

Vender é um ato humano. O treino personalizado é um ato humano.

Vender é responder a necessidades.

Vender é arriscar.

Vender é estar informado.

Vender é saber aplicar.

Vender é saber ensinar.

Vender é respeitar as regras.

Vender é dominar ferramentas psicológicas.

Vender é liderar os grupos de pessoas.

Vender é criar dinâmicas no meu grupo de clientes.

Vender é viajar e conhecer outras práticas.

Vender é ler fora da zona de conforto.

Vender é conviver com pessoas diferentes daquelas com quem passo a maior parte do tempo.

Vender é escolher as pessoas com quem quero passar mais tempo.

Vender é aprender a gostar do processo.

Vender é pensar diferente.

Vender é ser congruente.

Vender é criar credibilidade.

Vender é ser genuíno.

Vender é ser humilde mas ambicioso.

Vender é agir de forma massiva.

Vender é fazer as coisas simples muito bem feitas com emoção.

Vender depende do nosso nome e o nosso nome é a nossa marca.

Vender não é passar o tempo a dizer eu sou bom: publicidade.

Vender não é meter medo.

Vender não é interromper.

Vender não é ser agressivo.

Vender não é fugir para as redes sociais.

Estamos sempre a vender.

Os melhores vendedores são clientes satisfeitos.

Se fores consistente nestas ações, mesmo nos dias que dormes pouco, mesmo com clientes chatos, mesmo quando o patrão anda irritado, mesmo quando os colegas não se comportam como esperavas, mesmo quando tudo é adverso… Então vais chegar facilmente ao processo de troca: a venda.

Mesmo que a carteira de clientes esteja cheia, tudo aquilo que fazemos poderá criar uma perceção no mercado que nos permitirá valorizar e conseguir novos clientes ou um conjunto de pessoas desejosas de nos conhecerem e recomendarem.

Cria o teu processo de controlo da tua ação de vendas: objetivo do dia, contactos, follow-ups, referências, visitas ao ginásio, vendas efetuadas.

Cuidado: se queres vender um serviço que supostamente melhora saúde, ajuda teres comportamentos saudáveis. Por isso recordo que: o alto rendimento é tão prejudicial quanto o sedentarismo.

Aviso: na maioria dos locais e infelizmente a maioria dos profissionais após o fecho da venda, abandona o cliente. A compra significa apenas uma permissão para desenvolver a relação com o cliente e fazer dele um amigo.

Agora chega de leitura e vai lá fazer deste mundo um local melhor com treinos honestos para pessoas reais.

Bons Treinos!

23 Ideias de Marketing de Seth Godin

☯︎ As empresas devem criar serviços notáveis e deixar que os CONSUMIDORES FAÇAM O MARKETING

☯︎ As pessoas não compram aquilo que precisam. Elas COMPRAM AQUILO QUE QUEREM 

☯︎ Capta a ATENÇÃO das pessoas [ver a Vaca Púrpura]

☯︎ Cria um bom SLOGAN (simples e memorável)

☯︎ A AUTENTICIDADE é mais importante do que a primeira impressão

☯︎ A primeira prioridade das HISTÓRIAS da tua marca é SALIENTAR O VALOR do serviço, não é manipular o cliente

☯︎ Quando contratares alguém, procura PESSOAS APAIXONADAS, versáteis e altamente capacitadas [os linchpins]

☯︎ Queres atenção dos teus clientes? Pede PERMISSÃO [ver Permission Marketing]

☯︎ Permissão é como namorar. Não começas por vender no primeiro encontro, logo após a primeira impressão. Conquistas o direito, ao longo do tempo, pedaço a pedaço

☯︎ Os CLIENTES QUE DESPEDES e aqueles a quem prestas atenção, enviam sinais para o resto do grupo

☯︎ O GOOGLE nunca se esquece

☯︎ Constrói CONFIANÇA e tudo o resto se seguirá

☯︎ Necessitas exposição BOCA-A-BOCA

☯︎ Constrói relações de TRIBOS [a influência de uma tribo já não está ligada ao seu tamanho, mas sim à causa que defende e à forma como usa as ferramentas de comunicação entre os seus membros – ver Tribos]

☯︎ Escolhe as FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO que as tuas tribos preferem

☯︎ Se usares o dinheiro para criar SERVIÇOS EXCEPCIONAIS, não necessitarás gastar em publicidade

☯︎ As pessoas não compram bens e serviços. Elas COMPRAM RELAÇÕES, HISTÓRIAS E MAGIA

☯︎ Não procures clientes para os teus serviços, encontra SERVIÇOS para os teus clientes

☯︎ Não se trata do serviço, mas sim da história que contas

☯︎ Ou és NOTÁVEL ou és invisível

☯︎ Pára de fazer publicidade e começa a INOVAR

☯︎ Muda o serviço, não mudes os anúncios

☯︎ UM SERVIÇO PARA TODOS, É UM SERVIÇO PARA NINGUÉM

Ideias baseadas nos livros de Seth Godin

TREINO FUNCIONAL E DESPORTO – Algumas notas

A força é a base da tua capacidade de interagir com o teu ambiente. Mark Rippetoe (2015).

Qualquer modalidade desportiva é um misto de arte e esforço. Para prepararmos um atleta, grande parte da intervenção passa sempre por muita intervenção sobre a parte biológica, embora, frequentemente se neguem ou ignorem muitas leis naturais e princípios da interação humana. Uma dessas formas de intervenção, chama-se agora: treino funcional.

Ninguém sabe muito bem o que é o treino funcional. É um saco onde cabe tudo, mas por vezes, parece que o treino é dito como funcional somente se tiver uma plataforma instável, apoio numa das pernas e a tentativa de efetuar movimentos em 3 planos diferentes em simultâneo (se é que é possível em termos de controlo motor).

Os fisioterapeutas costumam definir o exercício funcional como exercício efetuado em múltiplos planos de movimento, utilizando múltiplas articulações.

O treino funcional pode ser descrito como um treino com propósito, tendo em conta que a sua função é, essencialmente, realizar movimentos com propósito. Este tipo de treino tem vindo a ser, erradamente, caracterizado como “específico” por muitos atletas e treinadores (Boyle, 2004).

No crossfit (Glassman, 2003), quando se aborda funcionalidade, existem 3 aspectos fundamentais: uma modalidade mais funcional um maior benefício cardiorrespiratório do que uma modalidade menos funcional, segundo, o regime de movimentos funcionais desenvolvido ao longo das 3 vias metabólicas, desenvolve uma condição cardiorrespiratória com maior aplicação a um maior número de atividades, situação que implica um 3º ponto: que existam várias qualidades de condição cardiovascular.

O treino funcional é uma forma simples de treinar, ensinando os atletas a lidarem com o seu próprio peso corporal (Boyle, 2004).

O cérebro não reconhece músculos individualmente, mas sim padrões de movimento que consistem nos músculos a trabalharem em harmonia para produzir movimento (Gambetta, 2007).

A função motora geral pode incluir: andar, correr, empurrar, puxar, agachar, saltar, lançar.

Garganta e Santos (2015), sugerem que as capacidades condicionais e as coordenativas não podem ser separadas uma vez que a força é imprescindível (para haver movimento tem de haver contração muscular e para haver contração muscular é necessário força).

A força é a capacidade de aplicar uma força a uma resistência externa como o solo, um adversário, um ferramenta ou uma bola. A força produz movimento humano; é uma coisa que nos distingue das plantas e das rochas. Existe apenas um tipo de força: a força de contração que os músculos exercem contra os ossos (Rippetoe, 2015).

Se efetuarmos os exercícios de força numa amplitude total de movimento eficiente, iremos obter como resultado, músculos mais fortes, resistentes e flexíveis em todos os ângulos articulares. Se efetuarmos os mesmos exercícios regularmente em amplitude parcial vamos obter apenas bons resultados nas amplitudes articulares trabalhadas.

Qualquer movimento desportivo é uma expressão relativa da força de um atleta: uma bola de futebol de 450gr, tem um significado diferente para um atleta para quem isso representa 5% da sua força máxima se comparado com um atleta para quem o peso da bola representa 0,05% da sua força máxima. Esse facto irá condicionar a técnica.

No ginásio, usando os melhores movimentos, os que têm mais impacto local e sistémico e progredindo nesses mesmos movimentos, podemos proporcionar ao indivíduo que assim treinar, aumentar o seu potencial e reduzir o risco de lesão. Podemos fazer um poço de 9m de profundidade com uma colher de chá, mas não é a ferramenta adequada. Podemos usar TRX ou argolas, podemos usar uma barra olímpica ou um elástico, mas não é a mesma coisa. A dinâmica de carga de um elástico é fraca porque a resistência varia demasiado consoante o elástico está pouco ou muito alongado (é tipo a colher de chá).

Por outro lado, temos de pensar no transfer de que nos falam os supostos experts de treino funcional. Rematar com uma bola medicinal, cria um padrão motor e dá informação bem diferente ao sistema nervoso do que rematar com uma bola oficial. Já testaram em vocês próprios?

Ser “coordenado” a tocar bateria, usando pés e mãos, não me garante em nada que eu seja um bom executante de aulas de step. Ser bom a dar toques na bola não faz de mim bom jogador de futebol, nem ser fantástico a efetuar passe frente a um companheiro no voleibol me ajuda a ser bom a efetuar passe com grandes deslocamentos num ambiente de jogo 2×2. Estes até podem ser exemplos daquilo que habitualmente se define como: transfer negativo.

No ginásio, não imitamos movimentos desportivos. Efetuamos movimentos multi-articulares em amplitude total de movimento, usando ferramentas que provaram ser eficazes (mais usadas e mais estudadas) ao longo de décadas, para melhorar o potencial dos atletas e diminuir o risco de lesão, criando uma musculatura mais forte, mais resistente e mais flexível.

De certa forma, tudo é funcional se cumprir a função para a qual foi criado. Movimentos naturais (levantar, sentar, agachar, levantar peso do chão, transportar peso, colocar peso acima da cabeça,…) que tenham aplicação no desporto e no dia-a-dia.

Perante estas ideias, podemos acreditar que a ginástica, o levantamento de pesos (halterofilismo, powerlifting, etc.) e a natação são formas de treino de elevada funcionalidade. Então, porque andamos a inventar movimentos com materiais que encontramos nas clínicas de fisioterapia, sem respeito pelas leis da física, sem respeitar anatomia nem os princípios do treino ou os padrões criados por treinadores e atletas com milhares de horas de treino com bons resultados? Queremos vender o quê?

Bibliografia

Boyle, M. (2004). Functional Training for Sports. EUA: Human Kinetics.

Chek, P. (2004). How to eat, move and be healthy! San Diego: CHEK Institute.

Faigenbaum, A. e Micheli, L. Youth strength training. Recuperado em 28 de Outubro de 2014, de: http://www.acsm.org/docs/current-comments/youthstrengthtraining.pdf

Gambetta, V. (2007). Athletic development: the art & science of functional sports conditioning. EUA: Human Kinectics.

Garganta, R., & Santos, C. (2015). Proposta de um sistema de promoção da Atividade física/Exercício físico, com base nas “novas” perspectivas do Treino Funcional. Em R. Rolim, P. Batista, & P. Queirós, Desafios Renovados para a aprendizagem em Educação Física (pp. 125 – 158). Porto: Editora FADEUP.

Glassman, G. (2003). Functionality & Wall Ball. Crossfit Journal, 12. Recuperado em 28 de Outubro de 2014, de: http://library.crossfit.com/free/pdf/12_03_Wallball.pdf

Rippetoe, M. (2011). Starting Strength: Basic Barbell Training, 3rd edition. Wichita Falls: Aasgaard Company.

Rippetoe, M. (2015). Strength and prevention of injuries. Disponível em: http://www.startingstrength.com