Se fosse fácil a vida no fitness…

Em Portugal temos cerca de 5 milhões de pessoas no ativo, ou seja, metade da população que trabalha para a outra metade do país: reformados que já deram o seu contributo, desempregados que passam tempos difíceis e jovens que ainda estão dependentes de seus pais.

Nos ginásios não sabemos bem o que se passa em termos estatísticos, mas, embora contraditórios, os números deixam transparecer que o mercado não cresce como os operadores gostariam.

Em 2007 a Marktest referia que 1,5 milhões utilizavam ginásios. Em 2013, cerca de 1,2 milhões. Em 2016 a Markest falava em 1,3 milhões. A AGAP, refere cerca de 540mil portugueses utilizam ginásios.

Quem anda nesta área de trabalho há algumas décadas, já percebeu que: para além dos problemas gerais da adesão ao exercício físico, os ginásios são uma poderosa indústria que complica o processo com muita informação e intervenção de todo o tipo de agentes que procuram obter lucro com os problemas do ser humano que procura no exercício físico uma ajuda para melhorar a sua vida.

Trabalhar como empresário, professor de aulas de grupo, musculação ou personal trainer, nesta área do fitness, não é um mar de rosas.

Se fosse fácil ser disciplinado, ninguém precisava de um treinador.

Se fosse fácil levar a cabo um método de treino simples e eficaz, também não precisávamos de ajuda.

Se fosse fácil o mercado do fitness crescia de forma sólida.

Se fosse fácil, as taxas de abandono dos ginásios não oscilavam os 40 a 60%.

Se fosse fácil, as médias de frequência semanal dos sócios não andavam entre 0,8 a 1,7 vezes.

Se fosse fácil, ninguém precisava de ajuda.

Se fosse fácil, a toma de anabolizantes diminuía.

Se fosse fácil os vendedores de suplementos, gadgets e geringonças, estavam desgraçados nas vendas, mas vão de vento em popa.

Se fosse fácil, as mais de 30 licenciaturas em educação física e desporto teriam mais foco nas atividades de ginásio.

Se fosse fácil, as cerca de 15 pós-graduações, mestrados e doutoramentos dedicados ao “alto-rendimento”, conseguiriam certamente aumentar esta lista de atletas.

Se fosse fácil, teríamos muitos instrutores e personal trainers com mais de 10 anos de atividade no ramo.

Se o mercado português fosse assim tão interessante, teríamos grandes representações dos maiores fabricantes mundiais de equipamentos.

Se o mercado português fosse tão interessante, os maiores operadores mundiais como LA Fitness, ou europeus como Virgin-Active, estariam por cá.

Se fosse fácil, o IVA dos ginásios mantinha-se nos 5% como em 2008 (já lá vão 10 anos). Infelizmente como não se repercutiu nos preços, voltamos aos 23%.

Os ginásios podem ajudar pessoas a mudar o seu estilo de vida e a obterem os benefícios biológicos, sociais e psicológicos associados à prática regular. Mas será que os ginásios vendem benefícios?

Para todos os treinadores, que gostam de ajudar pessoas, trabalhar no fitness é um desafio exigente do ponto de vista físico e mental. Liderança e comunicação são necessários para o sucesso porque…

O normal é ter pessoas (clientes) desmotivadas, com baixa auto-estima, com uma boa dose de preguiça, que reclamam, que dormem pouco, que comem mal, que sofrem de elevados níveis de stress e que fogem à dor. Nem necessitamos testar os níveis de condição física para saber que a população não melhorou ou para saber que partimos do zero quando começamos um processo de treino no ginásio. Quem tiver dúvidas que venha ver o que se passa com a condição apresentada pelos jovens nas escolas de Portugal. Se fosse fácil…

A melhoria é possível, mas…

Passa sempre pela consistência, pela credibilidade e pelo foco nas pessoas. No final, se os resultados produzidos a bem da população forem positivamente evidentes, não haverá político que resista à sedução da indústria do fitness.

Bons treinos!

Desportistas profissionais e redes sociais – Linhas de orientação

By: Jason Howie

Definir Objetivos

Primeiro o treinador ou jogador terá de começar por definir o seu objetivo de comunicação nas redes sociais. Exemplos:

  1. Ganhar notoriedade;
  2. Atrair os media;
  3. Construir uma marca;
  4. Criar determinada reputação;
  5. Conseguir fans;
  6. Inspirar e motivar;
  7. Partilhar experiências;
  8. Expor-se para mostrar patrocinadores;
  9. Dar de volta (retribuir);
  10. Criar uma opinião pública em torno de alguém ou de algo.

Linha de Privacidade

Definir claramente até onde está disposto a expor a sua vida privada.

Decidir o que colocar no perfil pessoal.

Este deverá estar de acordo com o objetivo inicial de comunicação.

Escolher as plataformas

Escolher as plataformas e decidir que tipo de conteúdo a publicar em cada uma. Por exemplo: podemos publicar citações e imagens no instagram, utilizar o twitter para comunicar com os fans e criar maior interação, o facebook para gerar discussão, o youtube para videos…

Acalmar antes de publicar.

Uma vez que os eventos desportivos envolvem muita emoção, será conveniente esperar pelo menos 24h após um “incidente” antes de publicar algo sobre o assunto.

Conteúdo

Como se costuma dizer: o conteúdo é rei! A produção de conteúdo é fundamental quando andamos pelas redes sociais. Passamos muito tempo a consumir e melhor seria passar 80% do tempo a produzir e publicar conteúdo e os restantes 20% a consumir. Dependendo do objetivo: citações, fotos, vídeos, clarificar situações, histórias, exemplos, inquéritos, opiniões, etc.

Consistência a publicar

Para maior eficácia, recomenda-se 5 a 20 publicações diárias para conseguir atenção.

Rotina

Definir uma rotina, um tempo de trabalho diário nas redes sociais.

80/20

Manter uma relação de publicações: 80% para a audiência 20% sobre nós, irá mostrar à audiência o objetivo anteriormente definido.

Partilhar media

Fotos, vídeos, documentos, criam impacto forte nas redes sociais.

Ter um conjunto de histórias de reserva para publicar a qualquer altura

Quando temos um pouco mais de tempo disponível, é bom produzir mais conteúdo a fim de ter como reserva para alturas em que necessitamos criar mais impacto e alturas em que não dispomos de tanto tempo para criar conteúdos.

Criar um website

Criar um espaço onde possamos ter alguma informação institucional/pessoal, local onde se controle melhor a informação produzida, pois nas redes sociais, na generalidade, perdemos um pouco o rasto ao passado das publicações.

Ter uma câmara

Uma ferramenta que facilite as publicações, é importante para a qualidade das publicações, mas um telemóvel também serve e estará sempre disponível para momentos únicos.

Conhecer as regras

Fundamental conhecer as regras do clube ao qual estamos ligados bem como a federação da modalidade, sobre este tipo de comunicação nas redes sociais, para estarmos alinhados e sermos bem interpretados.

Responder aos comentários

Essa é a forma de criar verdadeiros laços e interação.

Se não tens coragem…

De dizer ou mostrar isso a um dirigente, pai, adepto, árbitro, treinador ou jogador em direto, então não publiques online.

Vestir a camisola.

Se representas um clube, uma escola, um ginásio, uma associação, mostra isso no teu perfil e nas publicações que fazes.

Dar! Dar! Dar!

Se queremos receber em troca elogios, ou ter fans, ou ter algum tipo de reconhecimento, ou que nos comprem, algo, primeiro temos de dar e dar e dar informação, ajuda, e partilhar para mais tarde receber.

PARTICULARIDADES dos TREINADORES

Se os atletas são menores, cuidado com os conteúdos e evitar mensagens privadas. Preferir tudo em grupo e público.

Decidir se mantemos uma conta pessoal/profissional ou se criamos várias.

Criar um código de conduta para as redes sociais relacionado com os valores da equipa e partilhar dentro do clube.

Marketing pessoal. Como tudo aquilo que fazemos é marketing, tudo o que fazemos pode aproximar ou afastar potenciais clientes, as redes sociais têm enorme potencial nesta área.

Usar as redes sociais para criar espírito de equipa.

Decidir sobre um tempo de “black-out” de 30-60 minutos antes e após um evento (jogo) para que os atletas se concentrem no evento e por outro lado para que após o jogo se acalmem antes de publicar alguma coisa.